Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba em cinco partes: Por aqui se encontram todas as informa√ß√Ķes sobre termos utilizadas, express√Ķes determinadas e o vocabul√°rio do mundo do Samba Enredo.

Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba:

Parte I ‚Äď Escola de Samba 

Abre Alas

também Defesa, cf. comentário na Parte III do Dicionário do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Ala

literalmente asas, denota os v√°rios grupos da Comunidade de uma escola de samba; a maioria dos Alas recebe n√ļmeros e atribui√ß√Ķes de certas fantasias, mas tamb√©m existem Alas especiais e obrigat√≥rios, como Ala das Baianas, Velha Guarda, Passistas

Alegoria

carro aleg√≥rico de uma escola de samba, por lei, as escolas do Grupo Especial possuem atualmente cerca de sete carros, quais apresentam as diferentes v√°rias esta√ß√Ķes [setores] da a√ß√£o no Desfile

Andamento

também tempo, cf. Comentário na Parte II do Dicionário do Samba Enredo e das Escolas de Samba sobre o Andamento da Bateria

Apoio (Puxador)

Literalmente: apoio, no contexto de Samba Enredo, o termo Apoio é utilizado como expressão para o grupo de intérpretes [cantor] do Carro de Som

Baiana

Ala obrigat√≥ria de uma escola de samba. √Č um grupo de cerca de 100 mulheres representando as mulheres da Bahia em vestidos tradicionais da Bahia e o contexto do samba de roda [origem do samba]. As caracter√≠sticas principais delas s√£o largas saias oscilantes, len√ßos de cabe√ßa amarrados e os movimentos caracter√≠sticos de rodar – o movimento t√≠picos do Samba de Roda.

Bandeira

A Bandeira da Escola de Samba, decorada com as cores, símbolos e nomes da Agremiação, levada pela Porta-Bandeira no Desfile e nos Ensaios

Barrac√£o

Casa, lugar de produção de uma Escola de Samba, composta por vários andares, que abriga as fábricas de administração, administração, figurino, carroça, tripé e adereço. As 12 Escolas do Grupo Especial possuem um Barracão nas dependências da Cidade do Samba

Bateria

Grupo de percussão de uma Escola de Samba, composto por vários grupos instrumentais [Chocalho, Tamborim, Caixa, Cuíca, Repenique, Surdo], realizados pelo Mestre de Bateria; Subordinado pelos respectivos diretores dos grupos de instrumentos que guiam seus subgrupos

Bossa

Tamb√©m chamado de Paradinha [da Bateria]: interrup√ß√£o por varia√ß√£o r√≠tmica da Bateria, de acordo com o Enredo escolhido. As Bossas ficam principalmente criados pelo Mestre de Bateria, que pesquisa sobre estilos musicais caracteristicas relacionadas ao tema do Desfile e cria um arranjo da batida e das padr√Ķes cl√°ssicos da sua bateria, colocando como parte criativa varia√ß√Ķes decorativos da percuss√£o (referindo se ao Enredo)

Breque

Break, também pode ser chamado de Paradinha, para partida deliberada da linha musical [dependendo do contexto]

Caixa

Instrumento de percuss√£o da Bateria

Cantor de Ponta

Designação para os Puxadores mais populares das Escolas de Samba do Grupo Especial, orçamento para uma apresentação na Disputa de Samba como intérprete do Parceria: cerca de 1.500 RS. Cantores de Ponta famosos do Rio: Tinga, Gilsinho, Leonardo Bruno, Leonardo Bessa, Xandé di Pilares, Neguinho da Beija-Flor, Igor Sorriso etc.

Carnavalesco

Diretor Artístico principal de uma Escola de Samba, cria o Desfile e desenha todas as Alegorias e Fantasias

Cavaquinho

pequeno violão, comparável a uma ukulele, de quatro cordas (afinado: D РG РH РE), usado principalmente no samba e no choro como instrumento de harmonia, as vezes também substituído pelo banjo

Cavaco

abreviação do Cavaquinho

Chocalho

Instrumento de percuss√£o da Bateria, respons√°vel pela pulsa√ß√£o elementar, as vezes substitu√≠do para “prato e faca”

Cidade do Samba

literalmente a “Cidade” do Samba, local de produ√ß√£o [Barrac√Ķes] das 12 Escolas do Grupo Especial e de mas uma da LIESA

Componente

[Ala, também Segmento] Termo utilizado para os dois Segmento ou Ala [Ala, Grupo] de uma Escola de Samba

Compositor de Casa

compositor que j√° comp√Ķe em Parcerias de uma Escola h√° muito tempo, representante dessa Escola. cf. Parte II do Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Comunidade

significa a totalidade dos membros de uma Escola de Samba, por exemplo todos os acompanhantes de Madureira que formam parte da Comunidade da Portela

Cuíca

Instrumento de percuss√£o da Bateria

Diretor [da Ala]

Membro/diretor respons√°vel de um Alas da Comunidade, que coordena, controla e lidera o Ala nos Ensaios e no Desfile

Diretor do Carnaval

Diretor administrativo [organizacional] de uma Escola de Samba, guia a Escola junto com o Presidente, Vice-Presidente e Carnavalesco

Ensaio

Ensaio de uma Escola de Samba com todos os segmentos, geralmente na Quadra, mas também na rua. No início da Saison 2 vezes por semana: 1 dia de semana e 1 dia no final de semana [chamado Ensaio Show]. Durante da fase de ensaios intensivos logo antes do Carnaval em dezembro e janeiro aumenta para aproximadamente 3 x semanais

Ensaio de Rua

Ensaio da Escola na rua/Avenida principal do Barrio, designa a amostra de todos os segmentos ao ar livre, geralmente a rua principal em frente ao Quadra [por exemplo Vila Isabel: Boulevard 28 de Setembro], participa√ß√£o dos moradores do Bairro como p√ļblico

Escola de Samba

Escola de Samba, também Agremiação

Escola Mirim

Herdeiros de uma Escola de Samba, crianças e adolescentes que já recebem bolsa para jovens

Fantasia

Roupa, Fantasia para o Desfile, componente visual, equivalente aos carros

GRES.

Grêmio Recreativo das Escolas de Samba, também Agremiação. Esse nome é prefixado ao nome individual das escolas de samba. Por exemplo: GRES. Unidos da Vila Isabel, GRES. Acadêmicos do Salgueiro ou GRES. Estação Primeira da Mangueira, etc. e refere-se à afiliação à associação de Escolas de Samba; para uma revisão das Escolas de Samba cf. Site da Liesa

Grupo Especial

A Liga mais alta das Escolas de Samba

Grupo A

Outra Ligas de Escolas de Samba, próxima do Grupo Especial; O Grupo A também é chamado de Grupo de Acesso [formulário abreviado de Sambista: Acesso]

Harmonia

Grupo que é distribuído no Alas da Comunidade e fornece uma imagem geral harmoniosa da Escola em Desfile [movimento suave, sem espaços abertos, etc.]

Hino

equivalente para a canção oficial de uma Escola de Samba, em muitos casos juntado com o nome da Escola e o ano na anuncia, por exemplo o Samba Enredo da Beija-Flor

Instrumentos de percuss√£o

Instrumentos da Bateria – Surdo, Repique, Caixa, Chocalho

Mestre de Bateria

Diretor artístico da Bateria, comparável ao maestro de uma orquestra

Mestre-Sala

Forma o casal com a Porta-Bandeira. Existe o Primeiro e Segundo Casal da Escola de Samba. O Primeiro Casal e a sua coreografia são considerado e julgado como próprio Quesito no Desfile.

Paradinha

Bossa, movimento da Bateria que esta relacionado diretamente com o Enredo pelo seu desenho rítmico

Passistas

Grupo [Ala] dos dançarinos de uma Escola de Samba profissional, para competir no Ala deve ser concluído

Porta-Bandeira

porta-estandarte na Escola de Samba, apresentação e coreografia em conjunto com o Mestre Sala

Povo (do Samba)

Comunidade, literalmente: As pessoas, no contexto do Samba, no entanto, designa√ß√£o para a Comunidade e o p√ļblico de uma Escola de Samba

Pov√£o

Expressão para uma frase melódica estereotipada e muito popular, também pode ser um desenho ou lírico ou uma metáfora muito comum

Puxador

Intérprete/Cantor principal de uma Escola de Samba, é apoiado por seu coro acompanhante [Apoio], líder do Carro de Som

Quadra

Local de ensaios da comunidade, tamb√©m local de encontro, da Disputa de Samba e das Reuni√Ķes assim como outros eventos [como a feijoada mensal] e encontros

Rainha da Bateria

literalmente: Rainha da Bateria, Destaque do Chão em Desfile, dançarina em frente à Bateria, personalidade frequentemente eficaz na mídia, hoje também modelos, apresentadores, cantores, atores etc. em tempo integral do show business

Repinique: instrumento de percuss√£o da Bateria

Reuni√£o da Ala

Reunião, assembléia/discussão interna de um grupo (uma ala) particular da Comunidade como a Ala das Baianas, Ala das Passistas etc. na Quadra

Ritmista

Percussionista da Bateria de uma Escola

Ritmo cadenciado

ritmo/batimento moderado, equilibrado e com caráter de Swing de uma Bateria, é considerado o ideal do componente rítmico (ca. 100-110/120 bmp.)

Ritmo acelerado

ritmo/batimento veloce e acelerado das Baterias hoje em dia (até 147/150 bmp.). Atualmente é muito criticado (existe a idealização do ritmo cadenciado dos Sambas antigos

Roda de Samba

literalmente uma Roda de Samba, uni√£o espont√Ęnea ou planejada para fazer m√ļsica ou compor juntos. Em muitos casos cria√ß√£o de m√ļsica colectiva, com improvisa√ß√Ķes espont√Ęneas

Sambista

Membro da Escolas que trabalha artisticamente e profissionalmente para uma escola de samba ou no campo do samba; afeta m√ļsicos, mas tamb√©m dan√ßarinos etc.

Segmento

Componente, membro da Escola

Surdo de primeira, segunda, terceira

Os instrumentos musicais de Surdo s√£o os instrumentos de percuss√£o da Bateria fundamental, respons√°vel pela Marca√ß√£o da Bateria, em tr√™s vers√Ķes: Surdo 1 [batida], Surdo 2 [batida], Surdo 3 [ritmo intermedi√°rio]

Tamborim (instrumento)

Instrumento de percuss√£o da instrumenta√ß√£o Bateria, toca principalmente os padr√Ķes r√≠tmicos [ritmo da linha do tempo e padr√£o central]

Velha Guarda

A velha Guarda de uma Escola de Samba, Ala obrigat√≥ria de uma escola de samba como as Baianas, composta por vener√°veis ‚Äč‚Äčmembros idosos

Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Parte II РComposição e Disputa de Samba

Andamento

Expressão para o tempo, ritmo, medidor, andamento ou balanço de uma Bateria

Acessórios

Decoração de Alegorias e Fantasias em Desfile; no contexto da Disputa de Samba: adereços para os Torcida com o aparecimento de uma Parceria

Ajustes, lapidar o Samba

trabalhos finos na composição, conclusão / revisão de peças existentes

Arranjo

Arranjo, principalmente relacionado ao arranjo de um Samba Enredo, criado ou desenvolvido no est√ļdio; Para a Grava√ß√£o Oficial, os arranjadores profissionais da LIESA s√£o contratados para os arranjos musicais dos Sambas oficiais para o CD da LIESA.

√Āudio [Grava√ß√£o]

Grava√ß√£o, no contexto da composi√ß√£o do samba, relacionada especificamente a grava√ß√Ķes sonoras de id√©ias / partes de uma composi√ß√£o, que os compositores trocam entre si com a qual preservam id√©ias do esquecimento

BIS

repetição, principalmente anotação [distorção]

Cabeça do Samba

Abertura, primeiros versos do primeiro verso

Caco

Designa√ß√£o para Puxadore, obje√ß√Ķes cantadas ou faladas, destinada a cantar a seguinte frase de samba e incentivar chamadas √† Comunidade

Cavaquinho

pequeno viol√£o de origem portuguesa, instrumento central de harmonia no Samba Enredo, ocasionalmente substitu√≠do pelo banjo nas sess√Ķes, parecido com a Ukulele

Cavaco

Abreviação de Cavaquinho

Célula Master

Termo para uma célula principal musical, célula fonte de um samba

Chamadas

Chamada dos Puxadores para a Comunidade, tamb√©m conhecida como Grito de Guerra, marcas comerciais individuais de Puxadore, p. Tinga [Unidos da Tijuca]: “Solt’o bicho! Al√ī Comunidade – canta canta canta “, Igor Sorriso [Unidos de Vila Isabel]:” Obrigado Meu Deus! A√≠ sim meus pretinhos “, Leozinho [S√£o Clemente]:” Eu sou bem! “, Gilhinho [Portela]: “√Č tudo nosso!”, Leonardo Bessa [Salgueiro]:” Deus tem uma porta que tem que brilhar!”

Chaves (1 e 2)

Dividir as disputas registradas parcerias em v√°rios grupos; essa divis√£o ocorre quando s√£o registradas tantas composi√ß√Ķes para o concurso que, devido a restri√ß√Ķes de tempo, nem todas podem se apresentar na mesma noite; a divis√£o nas fases do grupo ocorre: as parcerias que emergem com sucesso dessas chaves competem entre si no curso seguinte [Exemplo: Beija-Flor teve mais de 100 sambas concorrentes em 2016, tamb√©m Salgueiro compartilha regularmente em Chaves]

Chuva de Prata

Tamb√©m chamada de chuva de prata. √Č um dos efeitos especiais mais usados ‚Äč‚Äčnas Parcerias na Disputa de Samba, junto com Serpentina [serpentinas / confetes]

Clip [da Parceria]

Vídeo promocional de uma Parceria para a Disputa de Samba; Clip, no qual o Samba concorrente apresentou e o Parceria é apresentado do melhor lado; além disso: apresentação, se possível, com Ritmista e membros da Comunidade, bem como adereços para representar a Escola; agora é exigido por algumas escolas de samba com antecedência

Códex de Cavalheiro

[informal] acordo entre os compositores de uma parceria, especialmente entre criadores registrados e art√≠sticos, que n√£o s√£o listados como membros oficiais dos Parceria na escola de samba, tipo de “c√≥digo de honra” sobre copyright copyright: composi√ß√£o, no contexto da disserta√ß√£o: Termo para uma composi√ß√£o de Samba Enredo

Compositor

Compositor, no contexto da dissertação: membro de uma Parceria, compositor envolvido na composição de um Samba Enredo

Compositor de Casa

Compositor da casa, que por muitos anos fez parte da Ala de Compositores da mesma escola de samba e representa musicalmente seu estilo; em alguns casos, compositores individuais influenciam extremamente a “face” musical de uma escola [por exemplo, multiplicando a disputa de samba, por exemplo Martinho da Vila, Andr√© Diniz, Lequinho da Mangueira, etc.], para que seu estilo esteja em algum momento inseparavelmente vinculado ao car√°ter musical da escola e associado a ele

Convintes

Também Ingresso, no contexto da Disputa de Samba também Coresia da Parceria, designação de ingressos gratuitos para entrar no Quadra como Torcida, um grupo de compositores

Desenho [musical]

Tamb√©m padr√£o, padr√£o ou padr√£o, geralmente designa√ß√£o para padr√Ķes estereotipados, mas tamb√©m pode servir de express√£o para motivos mel√≥dicos

Disputa de Samba

Também Corte de Samba ou Eliminatória, denota o concurso do compositor em uma Escola de Samba, realizada entre as Parcerias concorrentes registradas.

D√ļbio sentido

Ambiguidade de um verso ou expressão lírica, dispositivo estilístico poético popular no design das letras

Empolgação

Expressão de empolgação febril, emoção do cantor

Entrada [pro Refr√£o]

Transição, conectando parte da 2ª estrofe ao refrão, introdução ao refrão principal, musicalmente tem que se preparar para o caráter do refrão

Entrega do Samba

Inscri√ß√£o oficial de todos os Sambas para o Concurso de Compositores; Premia√ß√£o de um n√ļmero para a Parceria e seu samba, sob o qual ele ser√° levado dali at√© a sa√≠da; Submiss√£o de todos os documentos necess√°rios e registro pela dire√ß√£o art√≠stica e administra√ß√£o da escola de samba

Entrosamento

Intera√ß√£o harmoniosa entre a M√ļsica e a Letra de uma composi√ß√£o

Escritório do Samba

Colaboração artística de compositores em um samba com o qual não estão oficialmente matriculados

Final e Semifinal da Disputa de Samba

√öltima corte do concurso dos compositores

Fogos interiores

Fogos de artif√≠cio em recinto fechado, efeito popular de espet√°culo no palco de quadras no contexto de apresenta√ß√Ķes de Parcerias concorrentes na semifinal e final de uma disputa do Samba

Grava√ß√£o do est√ļdio

Grava√ß√£o em est√ļdio, fixa√ß√£o final do Samba em CD e no videoclipe

Gravação oficial

Gravação oficial na Cidade do Samba para o CD LIESA

Hino da Escola

[da Escola]: hino, tamb√©m usado como sin√īnimo do enredo oficial de samba de uma escola de samba, por exemplo o Samba Enredo da Beija-Flor, o Samba Enredo da Mangueira, o Samba Enredo do Salgueiro

Hora da Composição

Sin√īnimo do momento Reuni√£o, descreve o processo de composi√ß√£o de um Samba no coletivo da Parceria

Jogo de Palavras

Dispositivo estilístico poético popular no design de Letra

Lançamento da Sinopse

Apresentação da nova Sinopse em Reunião de diretoria e compositor

Lançamento do Enredo

Apresentação, apresentação do novo tema em um ambiente festivo com toda a escola e convidados externos da LIESA, imprensa etc. ou na forma de Reunião interna

Lapidar o Samba [ajustes]

Bom trabalho na composição, conclusão e revisão de parte existentes

Letra

Letra, texto po√©tico do Samba Enredo, alinhado em seu Enredo [cronologia e esta√ß√Ķes] e da Sinopse, composto por uma Parceria

Linha [verso]

Verso, linha da letra

Líder da Parceria

Também Primeiro da Parceria, Primeiro do Samba, diretor artístico e musical de uma Parceria

Marcação

Beat b√°sico, beat-offbeat, no Samba: 2/4, realizado por Surdo 1 e Surdo 2

Melodia

Melodia, linha de composição musical

Met√°fora

Metáfora, dispositivo estilístico poético popular no design de Letra

M√ļsica

A m√ļsica, no contexto do Samba Enredo e um componente musical do Desfile de uma composi√ß√£o, subcomponente do Quesito, julgado pela j√ļri

M√ļsico

M√ļsico da Parceria ou do Carro de Som

Padr√£o musical

[melódico / rítmico]: cf. Desenhos

Palavra-Chave [da Sinopse]

Palavra-chave [principalmente no contexto do Sinopse], significa palavras destacadas em um setor, seção que deve aparecer nas Letras na forma direta ou indireta]

Parceria

Grupo de compositores, que juntos comp√Ķem um Enredo de Samba para a Disputa de Samba de uma Escola de Samba

Parceria concorrente

[concorrente], grupo de compositores registrado oficialmente e participando da Disputa

Parceiro

Membro de um grupo de compositores

Participação Especial

A chamada participação especial de um compositor em uma Parceria, principalmente membros externos que, por exemplo, ajudam financeiramente

Poesia

Poesia, letra do texto; no contexto da composi√ß√£o, muitas vezes sin√īnimo do design est√©tico, estil√≠stico da Letra de um samba, na designa√ß√£o Desfile para o componente po√©tico de uma composi√ß√£o que √© avaliada como um subcomponente Quesito

Primeira Parte

[P]: Primeira estrofe de um Samba Enredo

Primeiro da Parceria

Também o Primeiro do Samba, cf. Líder da Parceria do Dicionário do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Parte do Samba

Parte de um Samba [Primeira Parte, Refr√£o do Meio, Segunda Parte, Refr√£o de Baixo]

Quebrada

Quebra na linha musical, na melodia

Refr√£o de Baixo

[RB]: coro principal de um Samba Enredo, a parte central, que √© frequentemente repetida para impress√£o e reprodu√ß√£o pela Comunidade e pelo p√ļblico; Sin√īnimo: Refr√£o Principal, Segundo Refr√£o

Refr√£o do Meio

[RM]: refrão médio entre a 1ª e a 2ª estrofe de um Samba Enredo

Repetição

Repetição de uma parte

Reuni√£o

Reuni√Ķes, no contexto da composi√ß√£o, termo para Sess√Ķes, em que um Samba Enredo √© composto no coletivo, mas tamb√©m esclarece quest√Ķes organizacionais e financeiras para a Disputa de Samba; fora da composi√ß√£o. Termo para a montagem de um grupo – por exemplo, um Alas da escola de samba ou compositores com a dire√ß√£o / dire√ß√£o art√≠stica, etc.

Reuni√£o da Ala dos Compositores

Assembl√©ia de compositores com dire√ß√£o de uma Escola de Samba. Conte√ļdo destas reuni√Ķes: Avalia√ß√£o da √ļltima rodada da Corte do Samba [elimina√ß√£o], se necess√°rio esclarecimento de d√ļvidas e problemas, sorteio da ordem das apresenta√ß√Ķes para a pr√≥xima rodada da competi√ß√£o, venda antecipada com desconto de Convintes com desconto para sua Torcida [cada grupo tem direito a um pr√©-determinado Contingente], mantendo a lista de presen√ßas, informa√ß√Ķes sobre os detalhes t√©cnicos da pr√≥xima rodada

Revis√£o

Recapitulação, revisão de uma seção do Samba

Rima

Rima, dispositivo estilístico poético da Letra

Samba Enredo

Samba com tema vinculado, composto por uma parceria em trabalho coletivo com o objetivo de participar de um concurso de compositores de uma Escola

Samba concorrente

um Samba oficialmente inscrito na competição em uma Escola de Samba

Samba Campe√£o

[da Disputa]: vencedor do concurso de um compositor

Segunda Parte

[S]: 2ª estrofe de um Samba Enredo

Setor

Setor, também posto em ação, geralmente um setor é representado por uma Alegoria

Simplicidade

literalmente: simplicidade, significa inteligibilidade; termo estético no contexto da composição, critério fundamental para os textos do samba enredo

Sinopse

Explica√ß√£o e narra√ß√£o detalhada do Enredo de um Desfiles em forma de roteiro, conduz como um libreto pelos v√°rios setores, escritos e publicados pela dire√ß√£o e dire√ß√£o art√≠stica de uma Escola de Samba, principalmente escrita em colabora√ß√£o com um historiador; Base das Letras, cont√©m palavras-chave, cita√ß√Ķes obrigat√≥rias etc., hoje principalmente com sugest√Ķes para aprofundar a literatura tem√°tica para pesquisas individuais do compositor para Enredo; √© apresentado e explicado a todo o Ala de Compositores pela Administra√ß√£o no dia do Lan√ßamento da Sinopse

Tira D√ļvida

literalmente: erradica√ß√£o da d√ļvida, controle, revis√£o de composi√ß√Ķes intermedi√°rias [entre Lan√ßamento da Sinopse e Entrega do Samba]; repetido [2-3 vezes] e publicado nas p√°ginas de m√≠dia social da Escola de Samba; Encontro no qual o Carnavalesco discute as composi√ß√Ķes junto com os compositores e d√° sugest√Ķes de mudan√ßa para as tend√™ncias; interno e fechado para pessoas externas

Tonalidade, Tom do Samba

Chave da composição

Torcida

Base de f√£s de uma Parceria na Disputa de Samba

Torcida organizada

um jovem fen√īmeno da base de f√£s organizada, hoje tamb√©m nome de uma base de f√£s externa comprada por uma parceria, mobilizada para emergir com sucesso da competi√ß√£o pela impress√£o de uma grande base de f√£s

Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Parte III – Desfile

Abre Alas

Defesa, documento de uma escola de samba, no qual todos os detalhes do desfile de uma escola de samba s√£o explicados e justificados, forma entre outras coisas a base de avalia√ß√£o do j√ļri

Acesso [Grupo A]

Nome do Gruppo de Acesso das ligas das Escolas de Samba, apresentação [e Grupo Especial] no Sapucaí, na sexta e sábado da semana do Carnaval

Arquibancada

Lugares p√ļblicos em Sapuca√≠, existem 11 Setores [tribunas], em 4 dos quais os membros do j√ļri est√£o distribu√≠dos em cabines separadas

Avenida

Est√°dio, local do desfile das Escolas de Samba no Carnaval, Sin√īnimos: Samb√≥dromo, Sapuca√≠ ou Passarela do Samba

Caderno do Julgador

explica√ß√£o sobre o julgamento de cada um dos julgadores, documento em que os membros do j√ļri fundamentam as notas manuscritas sobre classifica√ß√£o

Camarote

[honorário] Lodge no Quadra de uma Escola de Samba e na Sapucaí

Carro alegórico

Alegoria, carro alegórico de um Desfile, geralmente: cerca de 7 para cada Escola do Grupo Especial e cerca 5 para uma do Grupo A

Carro de Som

Grupo profissional de m√ļsicos de uma Escola de Samba (Puxador, Apoio de Cantores, 1-3 Cavaquinhos, Viol√£o de sete cordas)

Concentração

local de encontro da Comunidade antes do Desfile ou também da Torcida de uma Parceria de compositores antes de uma apresentação na competição

Defesa

[do Desfile]: consulta: Abre Alas

Desfile

Apresenta√ß√£o final de uma Escola de Samba no concurso das Escolas de Samba. No caso das ligas mais altas – Grupo A e Grupo Especial -a apresenta√ß√£o da Escola acontece na Sapuca√≠ e fica julgada pelo j√ļri da liga

Desfile dos Campe√Ķes

Desfile das 6 Escolas primeiras classificadas pelos julgadores, desfilem novamente no Sábado depois da Apuração dos resultados

Destaque

Destaque visual no Desfile, dançarino, na frente de uma Alegoria ou no chão [Destaque do Chão], na frente de um Grupo Especial [por exemplo Rainha da Bateria]

Empolgação

Arrastamento emocional, toque emocional at√© mesmo um estado euf√≥rico; criado n√£o apenas pela apresenta√ß√£o visual da Escola de Samba, mas tamb√©m pelo componente musical – o Samba Enredo – enquanto que a Comunidade canta junto com o p√ļblico

Enredo

Tema, que a Escola apresenta na Avenida. Decidido anualmente por um comitê das respectivas Escolas de Samba e implementado artisticamente pelo Carnavalesco; Base para carros, figurinos, coreografias e ação total, apresentada em desfile por uma Escola de Samba

Enredo patrocinado

tópico patrocinado, suporte financeiro de um Desfiles por um patrocinador externo, em muitos casos uma empresa externa

Escola Campe√£

Escola, que conquista o título de Vitória do Carnaval

Especial [Grupo Especial]

nome para a liga mais alta das Escolas de Samba, apresenta√ß√£o em Sapuca√≠, como destaque do Carnaval no domingo e segunda feira da Semana do Carnaval, depois tamb√©m no Desfile dos Campe√Ķes

Festa da Folia

termo popular para o Carnaval [do Rio de Janeiro]

Forró

m√ļsica folcl√≥rica do nordeste do Brasil

Grupo A

confia: Acesso no Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Grupo Especial

confia: Especial no Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Julgador

Membro de um corpus de 40 membros do j√ļri, chamados pela LIESA para a avalia√ß√£o de um Quesitos dos Desfiles

Julgamento

julgamento do j√ļri sobre certos quesitos das apresenta√ß√Ķes das escolas de samba, definido no Caderno do Julgamento, baseiam-se nos crit√©rios e diretrizes de avalia√ß√£o publicados no Manual do Julgador

Lavagem da Sapucaí

Evento, cerimonia da lavagem ritual do Sambódromo pelas Baianas antes dos ensaios técnicos. Incluindo uma festa grande em que participam e se apresentam Segmentes das Escolas, participação da Liga e documentação pelas mídias

LIESA [Liga]

Liga Independente das Escolas de Samba, institui√ß√£o superordenada da escola de samba que organiza o carnaval [o Desfile], o corpo do j√ļri e as diretrizes de avalia√ß√£o para julgar os quesitos

Maior Show da Terra

Slogan do carnaval e das desfiles das escolas de samba do Grupo Especial e do Grupo A do Rio de Janeiro

Manual do Julgador

Regras, cat√°logo de crit√©rios e informa√ß√Ķes gerais, que formam a base da avalia√ß√£o do j√ļri do carnaval, publicados pela LIESA

Patrocinador

[externo] Patrocinador de uma Escola de Samba, cf. também Enredo patrocinado no Dicionário do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Patrocínio

Patrocínio de uma empresa o um patrocinador externo para o Desfile de uma Escola

Passarela do Samba

Sin√īnimo para a Avenida, Sapuca√≠, Samb√≥dromo

Regulamento

Existem dois tipos de Regulamento:

Primeiro: O Regulamento da Disputa de Samba. Regras, que devem ser respeitadas pelas todas as Parcerias [na hora da competi√ß√£o dos compositores. √Č o documento sobre a conduta, a colegialidade e a justi√ßa das Parcerias entre eles]

Segundo: O Regulamento da LIESA, que contém as regras para todas as Escolas de Samba para o Desfile [normas, responsabilidades etc.]

Samba Campe√£o

Samba vencedor na Disputa de Samba, Samba oficial de uma Escola no Desfile

Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba:

Parte III РHistória do Samba Enredo

Barrio

Distrito [do Rio de Janeiro, por exemplo: Vila Isabel, Graja√ļ, Botafogo, Madureira, Ipanema, Centro etc.]

Berço do Samba

Local, onde o Samba Enredo nasceu, frequentemente sin√īnimo dos GRES. Est√°cio de S√°, sucessor da primeira Escola de Samba (Deixa Falar), usada como “local de nascimento” das Escolas e do Samba Enredo

Bloco

Grupo de percuss√£o pequeno, cf. Blocos, Ranchos e Cord√Ķes

Bloco, Ranchos e Cord√Ķes

Grupos, que realizaram o pequeno carnaval no Rio. Considerados como raízes das Escolas de Samba

Candomblé

Religi√£o afro-brasileira, baseada na genealogia de deuses dos Orix√°s [divindades de origem da √Āfrica Ocidental]

Deixa Falar

Primeira Escola de Samba do Rio de Janeiro no distrito de Est√°cio, “Ber√ßo do Samba”, hoje GRES. Est√°cio de S√°

Favela

cf. Morro no Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba

Grandes e Pequenas Sociedades

Nome em português para carnaval grande e pequeno, precursor do Desfile do Rio de Janeiro

Morro

Literalmente “colina”, refere-se √†s √°reas montanhosas ao redor das antigas √°reas de vida burguesas donde viveu a popula√ß√£o mais pobre do Rio. Se estabeleceu nos anos 1920; os Morros est√£o pr√≥ximos dos distritos e t√™m apelidos como “Morro da Mangueira, Morro do Salgueiro, Morro dos Macacos [Vila Isabel]”; seus membros eram nos primeiros dias das escolas a parte principal de cada comunidade; Portanto, seus sobrenomes geralmente s√£o derivados dos nomes das Escolas de Samba associadas.

Orix√°

Divindades do Candombl√© afro-brasileiro, de origem na √Āfrica ocidental, em muitos casos tematizado dentro dos Sambas ou mesmo utilizado como pr√≥prio Enredo, por exemplo no Samba Enredo Salgueiro 2019

Pelo Telefone

Composição que foi conhecido como o primeiro Samba registrado. Gravado pela empresa Edison. Feito numa Parceria, cuja autoria gerou polêmica entre os compositores participantes

Samba

O in√≠cio hist√≥rico do termo samba n√£o √© cientificamente comprovado e documentado, mas a teoria de origem mais comum. A raiz do pr√≥prio termo samba √© acreditada em Angola, na cultura de lingua Bantu, onde semba √© um toque m√ļtuo [umbigada] de dois dan√ßarinos mencionados, que deveria ser entendido como um chamado para dan√ßar em v√°rias dan√ßas circulares africanas, mas tamb√©m poderia, de acordo com a hip√≥tese de Gerhard Kubik como convite para uma dan√ßarina solo como “pula pula!” No contexto das primeiras dan√ßas batuques no Brasil a foram criadas (cf. tamb√©m notas de literatura secund√°ria)

Samba carioca

Sin√īnimo para o Samba do Rio de Janeiro, tamb√©m conhecido como g√™nero do Samba Enredo, as Escolas de Samba

Samba do morro

Samba da Favela, anteriormente também Samba Enredo

Samba do meio do ano

Samba do meio do ano, em contraste com o Samba Enredo, composto livre de restri√ß√Ķes externas

Tias [Tia Cita]

Samba de Roda: também Samba de Raíz, natural de Bahia County Samba

A designa√ß√£o das “velhas tias” de Salvador da Bahia, hoje √© representada simbolicamente pelo Ala as Baianas, mencionada em v√°rias letras

Dicion√°rio do Samba Enredo e das Escolas de Samba:

Parte IV – Vocabul√°rio do Samba Enredo

Palavras-chave e express√Ķes comuns para o design de Letras [sele√ß√£o]:

Alegria, folia, festa, felicidade…

Alegria, folia, festa, felicidade, liberdade, cupido, orgulho, paix√£o [divers√£o, felicidade, festividade, felicidade, liberdade, amor, orgulho, paix√£o]

Campe√£o, emo√ß√£o, eternizar, explodir…

Campeão, emoção, eternizar, explodir, brincar, magia, me leva, sorriso, destino, ouro/dourado, honra, brilhar, multidão [emoção, vencedor, perpetuar, explodir, brincar/brincar, leve-me, sorriso, destino, dourado, honra, brilho, a multidão]

As palavras mais importantes, que são integradas na Letra para homenagear a grandeza e beleza da própria Escola e que aparecem principalmente no Refrão de baixo, são listado separados aqui no dicionário: orgulho, amor (eterno), a melhora Escola, a Escola mais linda, emoção, Campeã

Dicion√°rio de Sin√īnimos:

Frases comuns, frequentemente utilizadas no Samba Enredo

o Escola tem que cantar – a escola precisa cantar ativamente

o Assinar o samba – assine um samba / registre-se como compositor

o Botar o Samba – mandar um samba para a Disputa

o Cair na folia – divirta-se no Carnaval

o √Č muito pov√£o – isso √© muito clich√™

o Mexer com es Escola e os Componentes Рtoque no endereço a Escola / Componentes, diretamente

o samba leva – pelo samba emociona as pessoas

o Montar um samba – compor um samba

o Na Avenida … – na Avenida, no dia de Desfile

o No dia do desfile – no dia do Desfile

o samba [n√£o] passou – o samba [n√£o] teve sucesso

o A Escola [n√£o] passou – a escola [n√£o] teve sucesso

o Samba é na Avenida Рliteralmente: o samba acontece na Avenida [para ser avaliado lá]

o Passar o Samba todo – toque o samba inteiro

o Pesa muito Рisso é muito complicado

o A Bateria corre – a Bateria corre r√°pido [toca muito r√°pido]

o A Bateria é cadenciada Рa Bateria é muito equilibrada

o Segurar uma melodia – corrija / proteja a melodia

o Solta o Samba – “libere” o samba

o Temos que levar uma escola – temos que levar a escola conosco

o Para o Samba do Escritório Рum samba com compositores não registrados

o Vamos brincar / Brincar no Carnaval – celebre o Carnaval com alegria

o Vamos fechar [essa parte] – finaliza parte do samba

o Vamos gravar o samba – gravar um CD do Samba

Escola vai cair; a Escola caiu – a escola vai descer para uma outra Liga

Escola vai subir pro Grupo xy – Escola em funcionamento

o Marcar o Samba Рmede a duração [hora] de um samba

Fontes e literatura secundaria

Reily, Suzel Ana: ‚ÄěBrazil: Central and Southern Areas‚ÄĚ, in: The Garland Handbook of Latin American Music, ed. por Dale O. Olsen e Daniel E. Sheehy, London 22008, p. 331.

Sandroni, Carlos: ‚ÄěSamba Carioca e Identidade Brasileira‚ÄĚ, in: Ra√≠zes m√ļsicais do Brasil, ed. por Dominique Dreyfus, Rio de Janeiro 2005.

De Oliveira Pinto, Tiago: Art. ‚ÄěSamba‚Äú, in: MGG2, Sachteil Bd. 8, Kassel e.o. 1998.

Theodoro, Helena: Guerreiras Do Samba. (= Textos escolhidos de cultura e arte populares, Vol. 6, No. 1), Rio de Janeiro 2009.

McCann, Bryan: Hello, Hello Brazil. Popular Music in the Making of Modern Brazil, Durham 2004.